O que são pedras roladas, brutas e lapidadas?

O que são pedras roladas, brutas e lapidadas?

Os formatos das pedras influenciam diretamente em suas virtudes, por isso que determinados cristais são lapidados de uma ou outra forma para determinados fins. Assim como os bastões de selenita, pontas de cristais, pêndulos, esferas e muitos outros. Conheça agora as diferenças entre pedras roladas, lapidadas e brutas:

PEDRAS ROLADAS

As pedras roladas seriam aquelas que se acham na encostas das rochas grandes, ou no fundo dos rios e riachos, que pela ação do tempo e das intempéries foram de certa forma lapidadas naturalmente, quando se deslocam na natureza, ganhando a forma quase esférica, arredondadas e por vezes até semi polidas. No mercado de minerais encontramos diversos tipos e qualidades de pedras ditas roladas, mas que passaram por processos de polimento e até processos de aquecimento para ganhar tonalidades diferentes e mais atrativas. São usadas em decoração nos interiores e exteriores de edificações, como casas, ateliês, apartamentos, mansões, em artes plásticas, e outros, trazendo muita beleza e ostentação. São comercializadas nos tamanhos Large, Mini e Super-mini.

PEDRAS BRUTAS

Pedras brutas são aquelas que não tiveram nenhum tipo de polimento ou lapidação pelo homem. Da forma que foram encontradas do garimpo são vendidas.

PEDRAS LAPIDADAS

A lapidação de determinados cristais pode potencializar suas virtudes e sua beleza, e é isso que acontece com os cristais, topázios, rubis e safiras (por exemplo). A lapidação torna a gema mais brilhante e mais atrativa, tanto para fins esotéricos quanto para enfeitar alianças, colares, brincos, aneis e pulseiras.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre as diversas formas e lapidações que uma pedra pode ter. Por exemplo, tem gente que chama qualquer diamante de “brilhante”. Há ainda quem acredite que o brilhante seja simplesmente qualquer diamante que seja lapidado. Vamos começar do básico: por que devemos lapidar uma pedra? Porque a beleza da maioria delas só se evidencia após este processo. Antes disso, no estado bruto, elas podem até passar despercebidas por olhos leigos. O objetivo da lapidação é mostrar as melhores características da gema, levando em consideração sua cor, clareza (pureza) e peso, tornando-a mais brilhante e valiosa.

As lapidações mais populares atualmente no mundo da joalheria podem ser divididas em duas grandes categorias – as facetadas e/ou degraus e os cabochons. Tem ainda a lapidação mista, que compreende duas variedades na mesma pedra, com uma parte dela lisa e a outra facetada ou em degraus.

A lapidação brilhante, de formato redondo, é a mais popular para os diamantes e diversas outras pedras, pois ela assegura que o máximo de luz seja refletido, criando brilho. As variações do contorno podem ser nos formatos oval, gota e navette (cuja forma lembra a de um “barco”), conhecidas como brilhantes modificados.

Na lapidação lisa, o principal representante é o cabochon, que é um talhe simples usado para exibir as cores e os efeitos óticos de pedras preciosas. A parte superior é lapidada de forma arredondada, e a inferior é plana ou levemente convexa. Já as pedras com lapidação mista normalmente são arredondadas no contorno, com a parte de cima facetada como o brilhante, e a de baixo em degraus.

A lapidação lisa das gemas cabochon (cabochão) é normalmente utilizada para os materiais que se seguem:

  • Gemas opacas a levemente translúcidas, com bela cor, desenhos, manchas, anéis ou bandas que são realçados com essa lapidação. Nomeadamente  jaspe, ágata, olho-de-tigre, olho-de-falcão, crisoprásio, malaquita, lápis lazúli, jade, heliotrópio, rodocrosita, turquesa, calcedônia, quartzo azul, quartzo verde, ônix, hematita e rodonita, entre outros);
  • Pedras translúcidas ou com várias inclusões de materiais (quando transparentes destinam-se à lapidação facetada). respectivamente, a água marinha, ametista, citrino, esmeralda, granada, iolita, turmalina, quartzo rosa, rubi e safira, por exemplo);
  • Exemplares transparentes a translúcidas, onde as inclusões merecem destaque e são realçadas com essa lapidação (como com ágata musgo, quartzo rutilado, quartzo turmalinado, quartzo com inclusões de pirita ou limonita);
  • Pedras preciosas com efeitos ópticos especiais que se tornam evidentes ou que são destacados apenas através dessa lapidação (como olho-de-gato, asterismo, adularescência, labradorescência, opalização e aventurinização);
  • Cristais de origem orgânica, que geralmente recebem esta lapidação (como corais, âmbar e conchas)
  • excepcionalmente, gemas mais transparentes podem também ser assim lapidadas para atender preferências pessoais ou para melhor aproveitar determinado mineral bruto.

 

As gemas cabochon (cabochão) são muito utilizadas no fabrico de jóias, especialmente em anéis, mas também se estende a broches, pingentes, brincos e braceletes, etc.

O que são pedras sintéticas, naturais e artificiais?

O que são pedras sintéticas, naturais e artificiais?

Sempre bate aquela dúvida na hora de comprar pedras e cristais: Pedra sintética, natural ou artificial? Qual é a melhor para utilizar? Qual a diferença entre elas? Descubra tudo isso conosco hoje!

Você sabe diferenciar uma gema natural de uma sintética? A humanidade sempre foi fascinada por joias, pedras preciosas e outros minerais que acabaram se tornando muito valiosos. Prova disso é a possibilidade de se produzir algumas gemas sintéticas, as quais embelezam joias como alianças de noivado, alianças de namoro, anel de compromisso, anel de formatura e muitas outras. Em alguns casos é muito difícil diferenciar uma gema natural de uma sintética, tamanha a perfeição que elas apresentam.

Lingam de Shiva Marrom - 3 cm - 6359

Como são obtidas as gemas naturais:

As gemas naturais usadas nos diferentes modelos de alianças, anéis de ouro, anéis de prata, anéis de formatura e outras joias são formadas pela natureza, ao longo de anos e sem a interferência direta do homem. Sua origem inorgânica (sem base de carbono) pode vir de vegetais ou animais em condições específicas, como pressão ideal ou decomposição de determinados materiais. Essas condições, por serem muitos especiais, contribuem para a raridade de algumas peças. Dentro desta categoria ainda existem as gemas lapidadas, roladas e brutas (falaremos deste assunto em breve).

AS GEMAS SINTÉTICAS

Antes de mais nada é preciso esclarecer que uma gema sintética não é o mesmo que gema artificial. Os processos de obtenção foram desenvolvidos devido à raridade de alguns exemplares ou mesmo do seu custo elevado. Por essa razão leva-se em consideração a dificuldade do processo e o valor para sua obtenção. A produção ocorre, geralmente, em laboratórios e cada uma das gemas pode ter um processo diferente, contudo a base é sempre a mesma, pois todas as gemas são produzidas a partir de gemas naturais.

As gemas naturais são pulverizadas para se tornarem compostos semelhantes a areia. A partir daí esse material é fundido e recristalizado em diferentes condições. Devido ao fato de serem obtidas de material natural, o resultado pode ser semelhante as qualidades da gema natural. Dessa forma a cor, densidade, brilho, índice de refração e outros podem ser bem parecidos aos da gema natural. Por isso a dificuldade em distinguir a gema sintética da natural. Em alguns casos somente usando um microscópio é possível notar a diferença.

PRIMEIRAS GEMAS SINTÉTICAS

Para se ter uma ideia, há relatos que as primeiras tentativas de sintetizar as pedras preciosas aconteceram no Egito a mais de 4 mil anos antes de Cristo. Possivelmente, o motivo era a escassez de Lápis – lazúli o qual era de grande importância para os egípcios. Na ocasião, tentaram aquecer o Esteatito para obter a gema, mas sem sucesso. A partir do século XIX a produção se tornou maior e vários tipos já eram produzidos pelo homem utilizando diferentes processos.

No início as pedras mais comuns eram Rubis, Safiras e Epinélios, devido a sua maior facilidade e custos reduzidos para a obtenção. A maioria utilizada em joias como aliança de namoro, anel de compromisso, anéis de formatura e outros. Contudo há também a produção destinada a indústria, como o caso do Diamante, o qual já produzido de forma sintética desde 1954 e hoje possui uma qualidade impecável.  

Atualmente diversos países produzem gemas sintéticas, como o Brasil, que produz Alexandrita ou a Rússia, produtora de Diamante. Austrália e Tailândia se destacam na produção de Safira, a qual também possui boa aceitação no mercado.

As gemas sintéticas são cultivadas em laboratório e têm as mesmas características físicas, metafísicas e químicas, como a pedra da natureza extraída do garimpo. São produzidos em um laboratório, reproduzindo as condições naturais em que suas contrapartes naturais são formadas.

Alguns exemplos de gemas sintéticas são a Opalina (Falsa Pedra da Lua), a Pedra Estrela e a Pedra do Sol. As três são produzidas em laboratório e ambas possuem propriedades incríveis.

AS GEMAS ARTIFICIAIS

As gemas artificiais são aquelas que não existem em estado natural no planeta. Como é o caso do zircônio, uma pedra preciosa produzida em laboratório cujos exemplares não existem na natureza. Mas não se engane, apesar de serem artificiais, estas pedras também possuem propriedades físicas, metafísicas e químicas únicas.

Pedra do sol e seus significados e propriedades

Pedra do sol e seus significados e propriedades

A Pedra do Sol ou Goldstone é uma pedra misteriosa que nos atrai com a sua luz cintilante, como se mil sóis brilhassem dentro dela, pois é um cristal que não se forma naturalmente apesar de ser composto por minerais naturais tratando-se de uma gema sintética, em outras palavras, são gemas cultivadas em laboratório que têm as mesmas características físicas e químicas, como a pedra da natureza extraída do garimpo. São produzidas em um laboratório, reproduzindo as condições naturais em que suas contrapartes naturais são formadas.

O efeito com cristais cintilantes que compõem a Pedra do Sol é produzido por monges italianos, que mantêm a sua composição em segredo. Diz a lenda que os monges e os alquimistas italianos tentaram criar uma ligação direta entre a Terra e o Céu em homenagem a Jesus e por um acaso, a mistura começou a fluir e a cintilar como se fosse ouro. Os monges juraram guardar o segredo da sua composição até à eternidade. Existe hoje em dia outro cristal que é mais comum, também chamado pedra do sol, e cujos cristais derivam de inclusões microscópicas de hematite, que produzem o efeito cintilante. Mas é claro que este segredo não se manteve e hoje em dia é possível encontrar este cristal em quase todos os cantos do mundo.

A pedra do sol deriva de inclusões microscópicas de hematite, que produzem o efeito cintilante. Apesar de sintética, a pedra do sol é um poderoso amuleto que tem a capacidade de atrair a alegria, a felicidade e a energia, pois transporta consigo a luz do sol e a sua força. Este cristal ajuda a libertar de todas as mágoas, tristezas, cansaço e energia negativa, revitalizando todos os chakras e aumentando a energia positiva que nos envolve. É uma pedra muito positiva para ter maior alegria de viver, encoraja o otimismo e renova o espírito. Este cristal possui a força da luz, por isso é útil para combater a depressão e tristeza. Como é um cristal colorido e garrido, transmite alegria e enche de felicidade e amor aqueles que o trouxerem consigo.

Ajuda a melhorar os efeitos das depressões, diminui a tristeza e a melancolia e atrai o calor e  os sentimentos amorosos. Sob o ponto de vista físico, a Pedra do Sol é benéfica no tratamento de problemas gastro-intestinais e ajuda a limpar os rins, a bexiga e os intestinos, para além de contribuir para a perda de peso. É também muito útil para minimizar as dores de coluna.

Ajuda a resolver problemas de cunho sexual e a tratar doenças nos órgãos genitais, além disso, a energia e a força emitidas por este cristal são importantes para que pessoas que têm a auto-estima em baixo, pois transmite paz interior, sentido de união e comunhão, restituindo a alegria de viver. Sabe-se que os Vikings percorreram milhares de quilômetros em direção à Islândia e à Groenlândia, descobrindo, sem dúvida, a América do Norte, por volta do ano 1000, bem antes de Cristóvão Colombo. Mas sua capacidade de navegar sem bússola em longas distâncias, e em condições desfavoráveis (noite polar, neve), ainda é considerada um mistério. Como em algumas regiões do norte as luzes do dia são perpétuas, eles não poderiam ter  usado estrelas para navegar e não havia ainda as bússolas magnéticas.

Assim, a solução foi usar a pedra, como presente em algumas sagas, inclusive a do herói Sigurd, que usava a solarsteinn, Pedra do Sol.

A Pedra do Sol teria permitido, segundo a saga escandinava, aos navegadores Vikings orientarem-se, mesmo com mau tempo ou em dias nublados pois além de seus excelentes conhecimentos astronômicos e marítimos, eles teriam utilizado a Pedra do Sol, olhando através dela para detectar a posição exata do astro-rei, invisível a olho nu, deduzindo assim a posição do navio. Pelo seu brilho, este cristal foi oferecido pelos Gregos ao Rei Hélios, o Deus do Sol, porque pensavam que esta pedra protegia a Terra de todos os males e perigos, a Pedra do Sol tinha a função de “manter a Terra no seu lugar e o Sol no céu”.

Na Índia era apreciada porque se acreditava que servia de escudo protetor contra o infortúnio.

A pedra do sol é um cristal vibrante, inspirador e iluminado.

Ele estimula a alegria de viver e uma natureza benévola, além de intensificar a intuição ajudando a libertar de todas as mágoas, tristezas, cansaço e energia negativa, revitalizando todos os chakras e aumentando a energia positiva que nos envolve.

Possui a força da luz, por isso é útil para combater a depressão e tristeza.

Diminui a melancolia e atrai o calor e os sentimentos amorosos.

Se a vida perdeu a doçura, a pedra-do-sol a restaura e nos ajuda a cuidar de nós mesmos, clareando todos os chakras e trazendo luz e energia possibilita que o eu verdadeiro brilhe mais alegremente. Por tradição, a pedra do sol é associada á deuses benevolentes, à sorte e à fortuna e é esta combinação alquímica e vibracional que dá origem a uma profunda conexão com a luz e com o poder regenerativo do sol durante a meditação e no dia-a-dia fazendo dela extremamente útil para desatar amarras com outras pessoas, estejam elas nos chakras ou na aura pois essas amarras, que têm o efeito de drenar nossas energias, podem estar no nível mental ou emocional e proceder de pais, filhos ou amantes.

A pedra do sol restabelece suavemente o contato com a outra pessoa e rompe essas amarras. Mantenha essa pedra com você durante o tempo todo, caso ache difícil dizer não e viva fazendo sacrifícios pelos outros. Eliminando a co-dependência, ela nos ajuda a tomar posse do nosso poder pessoal e a ter independência e vitalidade. Se você tem o hábito de adiar tudo,a pedra do sol o ajudará a superar essa tendência.

Do ponto de vista emocional, essa pedra atua como um antidepressivo e acaba com a melancolia e é particularmente eficaz nos casos de depressão relacionados ao inverno, pois compensa a pouca luz do sol nesse período do ano ajudando-nos a não nos sentirmos discriminados, em desvantagem ou abandonados. Elimina inibições e apegos, a pedra do sol reverte o sentimento de fracasso e aumenta a valorização e a confiança em nós mesmos.

Estimulando o otimismo e o entusiasmo, ela nos ajuda a ver o lado positivo dos acontecimentos até o pessimista mais incorrigível reage à pedra do sol. Este cristal incrível estimula o poder de autocura, regula o sistema nervoso autônomo e harmoniza todos os órgãos, trata dores de garganta crônicas e alivia úlceras de estômago e é excepcionalmente benéfica para depressões de inverno, a pedra do sol melhora nosso ânimo durante esta estação e serve para gradear o corpo e aliviar problemas nas cartilagens, no reumatismo e nas dores e incômodos em geral.

A Pedra do Sol é indicada para o sucesso nas realizações, reconhecimento e autoestima por ser uma pedra vibrante, inspiradora, iluminada, que ajuda a cuidarmos de nós mesmos. Por tradição é associada a Deuses benevolentes, à sorte e à fortuna pois é uma pedra alquímica que dá origem a uma profunda conexão com a luz e com o poder regenerativo do Sol, durante a meditação e no dia a dia. Ela é extremamente útil para desatar amarras com outras pessoas, estejam elas nos chakras ou na aura pois essas amarras que têm o efeito de drenar a nossa energia, podem estar no nível mental ou emocional e proceder de pais, filhos ou amantes.

FICHA TÉCNICA DA Pedra do sol 

Signo: Leão

Planeta: Sol

Polaridade: Masculina

Chakra: Plexo solar

Origem: Italia, Brasil, EUA, Canadá, Índia e Rússia

Composição química: Silicato de alumínio, cálcio e sódio

Efeitos esotéricos e psíquicos:

  • Deixar em evidência
  • Chamar a atenção
  • Atrai alegria
  • Força
  • Energia
  • Revitalizador de chakras
  • Autoestima
  • Sucesso
  • Fama
  • Autoconfiança

Efeitos terapêuticos:

  • Problemas gastrointestinais
  • Ajuda a limpar os rons
  • Bexiga
  • Intestino
  • Problemas sexuais e nos órgãos genitais