Coríndon e seus significados e propriedades

Coríndon e seus significados e propriedades

O Coríndon, Corindo ou Corundum é um mineral incrível a base de óxido de alumínio, que representa valor 9 em dureza na escala de Mohs. Naturalmente transparente, pode ter cores diferentes de acordo com impurezas que estejam incorporadas à sua matriz. Os espécimes translúcidos, são usados como joias raras. O coríndon de coloração vermelha é chamado de rubi, o de coloração azul é chamado de safira.

A palavra coríndon, vem do sânscrito kuruvinda, e do tâmil kurundan, que significa “mineral muito duro”. É empregado na indústria para fabricação de joias, em mecanismos de precisão, como relógios, motores especiais, como abrasivo e esmeril para polimento.

ENCONTRE AQUI diferentes tamanhos, formas e até mesmo bijuterias de CORÍNDON através da nossa loja virtual clicando aqui.

Seus cristais são geralmente prismáticos, embora possam, algumas vezes, apresentar-se arredondados, à semelhança de pequenos barris, em que é frequente a presença de estriações horizontais profundas. O mineral ocorre na forma de cristais hexagonais perfeitos ou em granulometrias de diversas configurações, ora grossas, ora finas. Com brilho adamantino, os cristais têm dureza nove na escala de Mohs, que vai até dez pontos. A densidade relativa oscila entre 3,9 e 4,1. Podem ser transparentes, translúcidos e opacos.

É um mineral alocromático, com diversas cores ou matizes diferentes de uma mesma cor, graças à presença de impurezas metálicas em sua composição. Essa propriedade, é responsável pelo grande número de variedades encontradas na natureza. O rubi, vermelho vivo, contém cromo, enquanto a safira, azulada, é composta de ferro ou titânio. Pode apresentar-se, ainda, nas cores lilás, amarela, verde, arroxeada e outras. As variedades constituídas exclusivamente de óxido de alumínio são incolores e se denominam safiras incolores.

É um mineral relativamente comum, encontra-se principalmente nos calcários cristalinos, micaxistos e gnaisses. Algumas rochas magmáticas possuem o coríndon como um de seus minerais primários, é encontrado em formações rochosas e nos aluviões dos rios. No Brasil, é encontrado em formações rochosas e nos aluviões dos rios nos estados do Rio Grande do Norte, Roraima, Paraíba, Ceará, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Em 1837, Marc Antoine Gaudin criou os primeiros rubis sintéticos por fusão de óxido de alumínio a altas temperaturas com uma pequena quantidade de cromo. Em 1847, Jacques-Joseph Ebelmen obteve safira branca fundindo óxido de alumínio com ácido bórico. Em 1877, Frenic e Freil obtiveram cristais de coríndon nos quais pequenas pedras poderiam ser cortadas. Frimy e Auguste Verneuil fabricaram rubis artificiais fundindo fluoreto de bário e óxido de alumínio com um pouco de cromo a temperaturas acima de 2000 graus Celsius. Em 1903, Verneuil anunciou um processo de produção de rubis sintéticos em escala comercial baseado neste processo de fusão.

O coríndon sintético possui a mesma composição química, estrutura cristalina e as mesmas propriedades do natural, pode ser fabricado a partir da bauxita, Al2O3.nH2O, e do óxido de alumínio puro.

O corindo é o mineral mais duro na natureza depois do diamante. Por este motivo só pode ser riscado e trabalhado por ele mesmo. A palavra corindo surgiu nos meios científicos europeus no fim do século XVIII, quando foram trazidos da China cristais de um mineral que nesse país era pulverizado e usado como abrasivo. Era idêntico ao comercializado pelos mercadores de Bombaim com o nome de kurund ou corundum.

As análises demonstraram que a sua composição era a mesma da telesia (em grego “perfeito”), nome que o célebre vulcanólogo francês René Just Haüy havia atribuído ao rubi e à safira, ambos usados como gemas. Foi o próprio René quem identificou o corindo como telesia e optou pelo novo nome indiano, para evitar confusões com as denominações europeias tradicionais.

No entanto, corindo não é só famosa pela sua variedade de áreas de aplicação, mas também algumas das propriedades místicas. Claro, eles são muito diferentes, dependendo da cor da pedra. Então safiras como pedras azuis, um efeito benéfico sobre os órgãos da visão. Os rubis vermelhos são úteis para melhorar a composição do sangue e dos órgãos do sistema cardiovascular.

Ao mesmo tempo, todo corindo é atribuído a afetar o uso de um homem. Acredita-se que eles aumentam a sua sede de conhecimento, habilidades analíticas e mentais e de memória. Portanto, recomenda-se para transportar alunos e estudantes, pessoas que estão envolvidas no trabalho intelectual. Outro propriedades de corindo – é sua capacidade de tornar uma pessoa mais trabalhadora e eficiente. É muito importante que esta pedra vai se apaixonar com a sua própria área de atividade, e para encontrar mesmo nas tarefas um pouco chato de algo interessante e emocionante.

Acredita-se que a cor da pedra depende em grande parte sobre as propriedades medicinais de corindo. Coridon azul ajuda a curar os olhos, a pressão do olho. Corindon vermelho ajudará com paralisia, normalizar a circulação, o trabalho das glândulas endócrinas levará a normal processos metabólicos no corpo. Corundum roxo vai curar a doença mental, doença, uma concussão cerebral.

ENCONTRE AQUI diferentes tamanhos, formas e até mesmo bijuterias de CORÍNDON através da nossa loja virtual clicando aqui.

Corindo é uma boa ferramenta com osteocondrose. Melhor digestão ajudará corindons cor laranja. Eles também têm propriedades rejuvenescedoras. Os astrólogos afirmam que o corindo ama as atividades humanas. Alunos e estudantes que podem ajudar em seus estudos, iria fazer uma mais diligente e cuidadosa.

FICHA TÉCNICA DO CORÍNDON

Dureza: 9 – 10 mohs

Chakra: Depende da cor da gema

Composição: Al2O3

Efeitos esotéricos e psíquicos:

  • Curiosidades
  • Habilidade analítica
  • Foco
  • Alivia as doenças mentais

Efeitos terapêuticos:

  • Visão
  • Coração
  • Pressão nos olhos
  • Digestão

Espinela Espinélio e seus significados e propriedades

Espinela Espinélio

A Espinela Espinélio, constituem um grupo de minerais que cristalizam no sistema cúbico com hábito octaédrico. A sua fórmula geral é (X)(Y)2O4, onde X representa catiões que ocupam posições tetraédricas e Y catiões que ocupam posições octaédricas. Catiões divalentes, trivalentes e tetravalentes podem ocupar as posições X e Y, incluindo magnésio, zinco, ferro, manganês, alumínio, crómio, titânio e silício. Os aniões de oxigénio formam uma estrutura cúbica.

A espinela verdadeira é desde há muito conhecida em aluviões do Sri Lanka e em calcários de Mianmar e Tailândia. É ainda explorada no Tadjiquistão e Tanzânia e geralmente ocorrem como cristais isómetricos, octaédricos, geralmente maclados. Apresentam clivagem octaédrica imperfeita e fractura concoidal. A sua dureza na escala de Mohs é 8, o seu peso específico situa-se entre 3,5 e 4,1 e são transparentes a opacas com brilho vítreo a baço. Podem ser incolores, mas geralmente ocorrem em tons variados de vermelho, azul, verde, amarelo, castanho ou negro. Existe também uma espinela branca, hoje em dia desaparecida, que foi encontrada durante algum tempo no Sri Lanka.

As espinelas vermelhas e transparentes são chamadas de espinelas-rubis ou rubis-balas e eram muitas vezes confundidas com verdadeiros rubis na antiguidade. A palavra balas deriva de Balascia, o nome antigo de Badakhshan, uma região na Ásia central situada no vale superior do rio Kokcha, um dos principais afluentes do rio Oxus. A espinela amarela é chamada rubicela e a espinela de manganês de cor violeta almandina. A espinela pode ser encontrada em rochas metamórficas e também como mineral primário em rochas básicas, pois em magmas deste tipo a ausência de álcalis não permite a formação de feldspatos, e qualquer óxido de alumínio presente formará corindon ou combinar-se-á com magnésia para formar espinela. É por este motivo que muitas vezes o rubi e as espinelas são encontrados juntos.

O espinélio vermelho sempre provocou fascínio aos grandes homens deste mundo desde séculos era conhecida como a pedra das coroas. Durante todo o período Mongol, encontravam-se gemas sobre as quais figuravam inscrições usando o nome dos imperadores. E existe ainda hoje no tesouro da Inglaterra um colar feito de espinélios, sobre os quais se encontram entalhes nomeados “o colar de Timur”. Neste mesmo tesouro se encontra sobre a coroa imperial da Rainha da Inglaterra, “o rubi do Principe Negro”.

Esta gema é um espinélio proveniente da mina de “Kuh I Lal”, ele foi dado em 1367 ao Principe Negro em agradecimento por seus leais serviços pelo Rei de Castilha. Meio século mais tarde ele salvara a vida do Rei Henri V na batalha de Azincourt, a pedra carrega ainda a marca do machado que ela desviou e que teria fundido o crânio do soberano. Na França o célebre espinélio “côte de Bretagne” (costa da Bretanha) lapidado em forma de dragão ornamenta a lã de ouro de Luiz XV.

Muitos rubis, famosos por se acharem incrustados em coroas da realeza são, na verdade, espinelas. A mais famosa é a ‘Black Prince’s Ruby’, uma espinela de 170 quilates, de um vermelho magnífico, que adorna a coroa imperial do estado entre as jóias da coroa britânica. Henrique V chegou a usá-lo no seu capacete de batalha. O rubi de Timur, uma gema vermelha de 352 quilates, atualmente propriedade da Rainha Elizabeth II, tem a marca de alguns imperadores que o possuíram antes, conferindo-lhe inegável prestígio.

Em Mianmar, onde são encontradas algumas das cores mais deslumbrantes de espinelas, esta gema foi classificada como uma espécie distinta do rubi em 1587. Noutros países a confusão com o rubi manteve-se por centenas de anos.

Cristais de espinela em uma matriz de mármore e calcita. Apreciada atualmente pela sua própria natureza, a espinela é uma das pedras preciosas preferidas dos negociantes e coleccionadores de gemas devido ao seu brilho, dureza e ao largo espectro de cores deslumbrantes. Os colecionadores têm interesse particular a uma variedade cor-de-rosa quente, vívido, com laivos laranja, explorada nas minas de Mianmar o que lhe dá características únicas como gema. A espinela aparece também em tons azuis e é, então, designada como espinela de cobalto, sendo estes exemplares raríssimos.

.

A espinela pode também ser produzida artificialmente em laboratório destinada a ornamentar anéis com a imitação da pedra de nascimento, é frequente associar-se o nome de espinela ao seu fabrico sintético. A espinela é uma gema resistente, perfeita para a indústria da joalharia. Facetada, o mais das vezes é talhada em forma oval ou circular, sendo muito difícil de encontrar em tamanhos calibrados dada a sua raridade.

Além da Birmânia, o Espinélio é encontrado, também, no Sri-lanka, na Tanzânia e no Tajiquistão, uma parte da antiga União Soviética, no Brasil na Itália, Alemanha. Por ser uma pedra de grande durabilidade, o Espinélio é muito usado em joalheria.

O Espinélio acalma e alivia o stress, a depressão e rejuvenesce a mente. É muito usado em processos de desintoxicação química sangue e , órgãos, incluindo a pele. Ajuda a diminuir a ansiedade e proporciona muitos benefícios à pele. O Espinélio é muito usado, também, pelas pessoas adeptas a jejuns. Esse belíssimo cristal tem  o poder de nos fazer sentir  revigorados e renovados. Ajuda a reforçar as características positivas da personalidade e a superar obstáculos. Diz-se que é a pedra da imortalidade. É uma excelente pedra para a cura e para a limpeza da aura. Reduz o esquecimento, atrai dinheiro, riqueza e prosperidade. Muito útil para viagens astrais e clarividência.

A espinela ou espinélio sendo uma pedra de alta energia, o Espinélio ajuda a curar os bloqueios de energia  físicas. Acelera a recuperação de muitas doenças associadas ao movimento, como problemas nas articulações, nos músculos e ossos. É ótimo para ser usado como pedra de proteção, sendo ideal para crianças, que carregam com elas as energias protetoras de quem as presenteou com esse cristal. Por proporcionar vitalidade, é muito bom para ser usado durante atividades físicas. O Espinélio é, também, uma pedra que ajuda nos relacionamentos à distância.

Somente há 150 anos o espinélio é reconhecido como uma classe mineral; anteriormente era incluído entre os rubis, encontrando-se nas mesmas jazidas que estes. Foi em Burma , atual Myanmar, que o Espinélio foi reconhecido por volta de 1.587, como uma espécie  separada de pedra e é lá, também, que são encontrados os Espinélios com as cores mais belas. Em outros países, o Espinélio se passou por Rubi por centenas de anos. Atualmente, o Espinélio é apreciado pelos comerciantes por sua própria beleza e por suas próprias cores e brilho espetaculares, sendo uma das favoritas desses profissionais.

Além da cor vermelha, o Espinélio pode ser encontrado, também, numa maravilhosa gama de cores, de rosa e roxo em tons pastéis a verde, azul, amarelo, pêssego e outras. A que provoca maior interesse é o Espinélio que vem da Birmânia: de um rosa intenso, apresenta um toque de alaranjado. Esta cor, é uma das mais esplêndidas cores de pedras preciosas encontradas no mundo. Existem, ainda, os Espinélios azuis, chamados de Espinélios Azul Cobalto, mas esses, são muito, muito raros de encontrar. Por ser uma pedra que pode ser criada em laboratório, muitas pessoas acreditam que só existem Espinélios sintéticos. Na verdade, o principal fator que impede que o Espinélio conquiste mais reconhecimento, é sua raridade. Os Espinélios mais belos são, atualmente, mais difíceis de encontrar do que os Rubis que costumava ser confundido.

Confira algumas variedades e indicações:

  • Espinélio Vermelho: é associado ao Chakra do Coração e estimula, especificamente, força e vitalidade física.
  • Espinélio Rosa: usado por pessoas que sofrem de fadiga crônica. O Espinélio Rosa é usado como talismã pelos casais que não estão o tempo todo juntos fisicamente, pois transporta o amor de um pelo outro.
  • Espinélio Pêssego: ótimo para diminuir a auto-crítica e, também, a crítica em relação aos outros. Auxilia a desenvolver a auto-estima.
  • Espinélio Azul: estimula o terceiro chakra, fazendo com que a pessoa fique mais focada mentalmente e ajuda com as habilidades psíquicas. Muito útil para a comunicação espiritual.
  • Espinélio Marrom:  ajuda a dissipar as energias negativas e, também, as reflete para sua origem, isto é, para o que ou quem as emanou originalmente.
  • Espinélio Violeta:  usado para melhorar a comunicação entre as diferentes gerações.
  • Espinélio Amarelo: conecta ao chacra do plexo solar, ajuda a manter-se focado e na manifestação da abundância em todos os níveis. É a pedra daqueles que tem a auto-estima baixa, pois promove uma forte crença na própria capacidade.
  • Espinélio Verde: conecta-se ao chacra do coração, ajuda nas questões emocionais, permitindo sentimentos de amor, compaixão e de perdão por si próprio e pelos outros. O Espinélio verde-escuro é conhecido por aumentar a sorte e melhorar as habilidades de comunicação. Seu brilho verde auxilia aqueles que sentem medo.
  • Espinélio Laranja: estimulante sexual e das energias criativas.
  • Espinélio Negro: ajuda a reconhecer e liberar questões emocionais arraigadas profundamente na pessoa, como a tristeza e a raiva.
  • Espinélio Transparente: reenergiza os campos magnéticos, bem como todo o sistema de chakras.

FICHA TÉCNICA DA Espinela Espinélio 

Dureza: 8.0 Mohs

Vibração: Alta

Signo: Capricórnio, Aquário, Peixes, Áries, Touro, Leão, Virgem, Libra, Escorpião

Origem: Birmânia,  Sri-lanka, na Tanzânia e no Tajiquistão, uma parte da antiga União Soviética, no Brasil na Itália, Alemanha

Composição química: MgAl2O4

Efeitos esotéricos e psíquicos:

  • Acalma
  • Alivia o stress e a depressão
  • Rejuvenesce a mente
  • Ajuda a diminuir a ansiedade
  • Revigoração
  • Reforça as características positivas da personalidade
  • Superar obstáculos
  • Limpeza da aura
  • Reduz o esquecimento
  • Atrai dinheiro, riqueza e prosperidade
  • Viagens astrais
  • Clarividência

Efeitos terapêuticos:

  • Desintoxicação química sangue e órgãos incluindo a pele
  • Jejuns
  • Circulação

Rubi e seus significados e propriedades

A energia do rubi está diretamente ligada ao sol, é símbolo de poder e coragem. A palavra rubi vem do latim, especificamente da palavra “rubéola”, que significa “vermelho”.

Sua coloração clássica é de um profundo vermelho, mas pode variar entre o rosa e a cor alfazema. O vermelho é normalmente interpretado como uma cor de paixão, e algumas vezes o efeito do rubi é o mesmo de sacudir uma capa vermelha na frente de um touro, por esta razão deve ser usado com conhecimento para tirar proveito da experiência, de outro modo você pode ser vencido pela paixão que surge.

Essa pedra nos ajuda em todos os assuntos de amor, inclusive de amor a nós mesmo. Estimula a motivação e a visualização, pode ajudar o seu portador a ser mais realista em relação a seus objetivos e mais honestos em suas intenções.

Lembre-se que o rubi é um poderoso amplificador de energias, tanto positivas quanto negativas, ele pode trazer rapidamente à superfície a raiva ou a negatividade, mas também pode dispersar essas energias com o sua energia positiva.

Permita a si próprio ser purificado pela experiência e não subjugado pela mesma.

FICHA TÉCNICA DO RUBI

Signo: Áries, Sagitário, Leão, Capricórnio e Escorpião

Mês: Julho

Chakra:  Coração e umbilical

Vibração: Alta

Polaridade: Masculina

Planeta:  Sol

Elemento: Fogo

Profissão: Advogados, Artistas, Jornalistas, Médicos, Militares e Terapeutas Alternativos

Origem: Afeganistão, Birmânia, Tanzânia, Quênia, Tailândia, Índia, Estados Unidos e Sri Lanka

Dureza: 9 Mohs

Composição química: Óxido de Alumínio

Efeitos esotéricos e psíquicos:

  • Extingue medos
  • Estanca sangramentos
  • Mantém e restaura a memória
  • Energia
  • Coragem
  • Equilibra o humor
  • Amor
  • Conhecimento
  • Visualização

Efeitos terapêuticos:

  • Protege de doenças
  • Cura
  • Pressão arterial em particular a hipotensão
  • Recupera a força
  • Alivia a fadiga
  • Úlceras
  • Insônia
  • Hipocondria
  • Fadiga Crônica
  • Olhos

ATENÇÃO:

  • A água infundida com este mineral pode ajudar com a hipertensão, doenças oftalmológicas, doenças do coração e sangue. Esta água também facilita a exacerbação da asma.